COLUNA DA NATÁLIA

NOVA YORK EM 4 SUPER DICAS #VIAGEM25/04/19

O melhor cookie, uma missa gospel e até uma perfumaria argentina

Como minha viagem para NYC acabou ficando restrita ao Instagram, reuni os hotspots num post só por aqui. A ele!

Domingão em NYC? Acorde cedo e se mande para o Harlem, mais precisamente para o Greater Refuge Temple, e assista à apresentação gospel (eu assisti a missa inteira e ainda cantei e dancei, com fervor). Os seguranças do lugar são truculentos e muito mal-educados, mas na hora que a turma começa a cantar, a gente esquece disso tudo!

Depois, corra para a Levain Bakery e coma o melhor cookie com gotas de chocolate e recheio derretido da Terra, sem pensar nas calorias. Como era nossa primeira vez em NYC perguntamos ao Google o que fazer no Harlem e a primeira dica foi ir à Levain. A prinícipio você não dá muito pelo lugar, que nem tem uma mesinha simpática para assentar, como os vizinhos, mas depois da primeira mordida entende o porquê da sensação. Há lojas da padaria por toda a cidade, basta consultar.  

Cometa esse pecado sem a menor culpa: cookie da Levain 

Churrasco coreano!

Que tal um churrasco à coreana?! Foi isso que encontrei ao seguir a dica do designer (e amigo) Albino Papa para conhecer o Gopchang Story BBQ, no coração de Manhattan. Foi providencial não ter lido o significado do nome e ir no escuro, apenas com a recomendação de pedir um Bibimbap, uma espécie de mexido. 


 

É que gopchang, caro leitor, é o intestino delgado do gado (ou do porco), e se refere também ao gui (prato grelhado) feito do intestino delgado, ou seja, é coisa para iniciados e destemidos. O lugar tem fila de espera de horas (sim, é preciso bookar a mesa no Yelp) e é o templo de dezenas de jovens coreanos (éramos os únicos ocidentais por ali) a curtir o movimento lento e paciente dos churrasqueiros e a música ao estilo Gangnam Style (lembra do Psy?). 

Optamos pelo bulgog, um dos poucos pratos que não previam deparar-se com um intestino e pedimos um bife que vem cru sobre a chapa cheia de legumes. A mágica toda acontece na sua frente, bem devagar, e o resultado é uma mistureba muito saborosa.

Perfumes com cheirinho da América do Sul  

Foi andando pelas ruas do Soho que me deparei com a filial da Fueguia 1833, casa de perfumaria da Patagônia que conheci em Buenos Aires (tks pela dica, Adriano Carvalhais) no último ano.  

Pouco conhecida dos brasileiros, a Fueguia foi criada em 2010 e já tem lojas em NY, Tóquio e Milão, onde arregimenta fãs por conta de sua busca incessante por fragrâncias olfativas únicas, muitas delas vindas da Terra do Fogo e até da Amazônia. 

Devido à escassez destes ingredientes especiais, a grife produz apenas séries limitadas. Cada vidro mostra o ano e o número do lote dad fragrância que é incluída e os preços divergem de acordo com a raridade das essências. Ou seja, há para todos os bolsos! 

O projeto das lojas também é único, já que as garrafas com todos os perfumes são dispostas numa grande mesa, numa espécie de buffet, em que os visitantes têm a liberdade de cheirar e experimentar todas que desejar.

A novíssima adepta das fragrâncias assinadas por Julian Bedel é ninguém menos que a rainha Elizabeth

SERVIÇO:

- Greater Refuge Temple

2081 Adam Clayton Powell Jr Blvd, New York, NY 10027, USA

- Levain Bakery, Harlem

2167 Frederick Douglass Blvd, New York, NY 10026

- Gopchang Story BBQ

312 5th Ave 2nd Floor, New York, NY 10001

- Fueguia 1833

21 Crosby St, New York, NY 10013

 

NATALIA DORNELLAS

FOTOS: DIVULGAÇÃO/ARQUIVO PESSOAL 



COMPARTILHE A MATÉRIA


COMENTÁRIOS




MENSAGEM




FACEBOOK