ND AMA

DESGOSTO NADA, AGOSTO TEM IPÊ-AMARELO!!!05/08/18

COLUNISTA FALA SOBRE A ONDA AMARELA QUE INVADE A CAPITAL

Muita gente acha que agosto é agourento, traz coisas ruins e é propício a desenlaces. Eu, entretanto, tenho visão bem mais otimista sobre o mês que está começando. Gosto de andar pela cidade nesta época do ano e observar a floração dos ipês amarelos, que vêm para substituir os ipês rosas. É como uma troca de figurino que enfeita a capital, a pouco menos de 60 dias para a chegada da primavera.

É uma paixão que começou quando estudava no Colégio Militar. No trajeto para o colégio, de ônibus, ficava olhando as árvores floridas, o que ajudava a passar o tempo. Depois, comecei a passar pela Praça da Liberdade, de bicicleta ou a pé, para também observar os ipês amarelos.

          ANDRÉA ESTÁ DE OLHO NOS NOSSOS IPÉS TAMBÉM 

 

Este ano, por causa da obra de requalificação da praça, não será possível ver as árvores, pois o local está cercado por tapumes. Mas é por uma boa causa e, em 2019, com a praça restaurada, a população poderá apreciar a beleza dos ipês amarelos.

Em BH há cinco espécies de ipê, segundo amigos botânicos me explicaram: o rosa, o roxo, o branco e duas espécies de amarelo. Confesso que já tentei identificar as diferenças entre os dois tipos de ipê amarelo e nunca consegui, mas mantenho a curiosidade sobre esse tema. Também me falaram que todas as espécies da planta encontradas na cidade são nativas da nossa região, com exceção do ipê rosa, originário da Amazônia.

Também me chama a atenção o curto espaço de tempo entre a floração e a queda das flores, cerca de uma semana. É uma beleza efêmera, mas suficiente para deixar Belo Horizonte mais alegre e colorida. Para quem gosta de observar o tom vivo dos ipês, um ótimo lugar é a região da Pampulha. Ali, há vários exemplares usados na arborização das vias, além de muitas árvores plantadas nos quintais.

Especialistas citam todas as espécies de ipê, especialmente o amarelo e o roxo, como ideais para o plantio, pois, além da beleza, são de grande porte, oferecem boa sombra e suas raízes não destroem calçadas e jardins. A arborização urbana tornou-se questão relevante em muitos países, como forma eficaz de combater o calor e tornar a vida nas metrópoles mais confortável. Nova York concluiu em 2015 o plantio de um milhão de árvores em dois anos. 

GABRIEL AZEVEDO (COLLAB ESPECIAL)

FOTOS ANDREA MONTEIRO



COMPARTILHE A MATÉRIA


COMENTÁRIOS




MENSAGEM




FACEBOOK